ANDARILHO EM BEJA

Ao Sul, a poesia tem outra planura e partilha-se melhor, mais serena e demoradamente. Foi esta experiência que pude viver nos três dias – 27, 28 e 29 de Abril - que passei em Beja, visitando escolas, a convite da Biblioteca Municipal. Já sabia da excelência do acolhimento e do trabalho desenvolvido pelos responsáveis desta biblioteca, sobretudo da Cristina Taquelim e equipa, desde As Palavras Andarilhas, mas agora pude participar deste trabalho.

No dia 27 visitei a EB2/3 de Santiago Maior (na biblioteca da escola) tendo apresentado os meus livros aos alunos do 3º e 4º anos desta escola, lendo vários textos e respondido às inúmeras questões colocadas. De tarde, visitei a EB 2/3 de Santa Maria.
O dia terminou na Biblioteca Municipal, na Gruta do Conto, a dizer poemas e a contar histórias da bicharada para um pequeno grupo de crianças (muito pequenas) acompanhadas pelos seus pais.

No dia 28 estive de novo em Santiago Maior, desta vez para trabalhar com o 3.º Ciclo (uma turma do 8.º ano e duas turmas do 7.º anos). O trabalho consistiu numa breve oficina de escrita / poética criativa. Começamos por tentar desvendar os “mistérios da escrita”, descobrimos que “a poesia é uma ilha rodeada de palavras” (o que é, de que fala e quem a pode escrever), entrevemos o que é ser poeta e, por fim, aventurámo-nos em exercícios vários de poesia (tendo em conta a magia das rimas, as estruturas rítmicas e outras).
Para mim, foi uma experiência fascinante. Gostei especialmente do interesse manifestado por todos e do encanto que pude verificar nos participantes.
Ao fim da tarde, vivi outro momento extraordinário. Reuni-me com o “Papa-Livros”, um grupo de crianças e pais que se reúnem regularmente para ler em conjunto. Espantoso foi ouvir (às vezes, quase soletrar) os mais pequenos, os maiores e os adultos ler os poemas dos meus livros. Habitualmente sou eu que leio para…; foi muito gostoso ouvir ler para mim… os meus textos. Adorei este encontro: as leituras, as perguntas, a familiaridade, o gosto pela leitura e pelos livros. Simplesmente uma maravilha.

No dia 29, tive o grato prazer de me encontrar com os alunos do 4.º ano da EB 1, nº5. O espaço do encontro foi a magnífica biblioteca da escola, em edifício autónomo e devidamente embelezado. De novo, tive o prazer de ouvir ler e reler textos escritos pelos alunos, a partir dos meus “Improvérbios” e dos “Poemas da Bicharada”. Como é bom verificar que a poesia faz poetas!
A conversa a propósito dos livros e da poesia foi animada (e muiiiiito interessante).

Ao início da tarde e já no regresso a casa, fui a Beringel, à Casa do Povo, onde funciona provisoriamente o 1.º Ciclo. Encontrei, como acontecera de manhã, alguns “Papa-Livros” da véspera. As perguntas, devidamente preparadas, proporcionaram um diálogo muito elucidativo para todos (eu incluído).

E assim terminou a minha aventura por terras do Alentejo.
Algumas notas se impõem:
1) A Cristina Taquelim, a sua equipa e demais colaboradores da Biblioteca Municipal foram inexcedíveis na preparação das visitas, no acolhimento, no acompanhamento e na amizade demonstrada. Obrigado.
2) Os professores das diversas escolas visitadas prepararam adequadamente as mesmas, possibilitando o contacto e a leitura prévia dos livros. E trabalharam a partir deles. Obrigado também.
3) A Hora do Conto e os Papa-Livros foram duas experiências que me marcaram positivamente e que me disseram como e quanto é possível trabalhar, de modo escondido e silencioso, pela leitura.
4) Impressionou-me a quantidade de utilizadores da Biblioteca Municipal. Era uma multidão de gente, lendo, escutando música ou simplesmente estando e conversando. Foi fantástico perceber que por aquelas bandas a Biblioteca é um lugar onde as pessoas vão e estão, em redor dos livros.


Obrigado por me fazerem dar-vos a papar livros!

Comentários

Mensagens populares