segunda-feira, 26 de abril de 2010

SEMANA DE ANDANÇAS

A semana que passou foi intensa e gostosa. Registo aqui, com brevidade, os lugares visitados e as impressões que me ficaram:

COLMEIAS, LEIRIA

Na Segunda-feira visitei o Agrupamento de Escolas de Colmeias, em Leiria. Estive com turmas do 2.º Ciclo a EB 2/3 e dois Jardins de Infância.
Os meninos do J.I. de Colmeias, fizeram o meu retrato imaginário, um cartaz da" poesia da bicharada" e outras que tais... e comentaram assim a minha visita (segundo a recolha da educadora Alcina, a quem agradeço o envio):
“Foi um dia muito giro. Fomos visitar o João Manuel Ribeiro (dizem sempre o nome completo) à Biblioteca. (Edgar, Mara e Ricardo)
Ele escreve livros para os meninos. (Mara)
Mas nós não acertámos no retrato dele. Não tinha óculos. (Beatriz)
Mas acertámos que era alto. (Isa)
Eu bem disse que ele era magro... (Edgar)
... e que não tinha óculos! (Francisco)
É verdade... mas decidimos por maioria e a maioria ganhou... (Alcina)
Pois foi. (Vários)
Ele era muito simpático! ... e simpático para as crianças e para as mães. (Duarte)
Mas lá não havia mães, ou havia? (Alcina)
Sim, a mãe do Ricardo foi lá levá-lo e depois foi embora. (Mara)
E também lá estava a mãe da Matilde porque trabalha lá. (Francisco)
Achámos que ele era bonito. (Vários)
Gostei muito dos livros dele. (Gabriela)
Tu compraste livros para nós, pois foi? E vamos contar mais vezes? (Lara)
Vamos contar até ao céu! (Alcina)
Isso não! (Vários) (risos)
Gostámos das poesias que ele escreveu. (Vários)
Podemos escrever uma carta? (Martim)
Para o João? (Alcina)
Sim! (Vários)
Está bem. Eu posso escrever o que os meninos disseram agora e mando a carta pelo computador. (Alcina)
Diz que eu gostei dos livros dele. (Alexandre)
Fica combinado. (Alcina)
V. N. DE GAIA E S. JOÃO DA MADEIRA

Terça-feira o dia foi repartido por duas escolas.
De manhã, fui com a Anabela Dias a uma EB 1 de Vila Nova de Gaia, conversar com os meninos do 1.º Ciclo sobre os nossos “Poemas para Brincalhar” e “Sopa de Letras”. A conversa foi animada e divertida!
De tarde, visitei a EB 2/3 de S. João da Madeira e a conversa foi deliciosa. Primeiro, pelo trabalho feito com o “Gémeos”; depois, pela soberba leitura (com fundo instrumental executado pelos alunos) de alguns textos meus; e, finalmente, pelo diálogo franco que se seguiu. Assim sim! Assim vale pena visitar escolas e falar da escrita e dos livros com os alunos. Obrigado por tudo!

OLIVEIRA DO BAIRRO

Quarta-feira estive em Oliveira do Bairro no novo Centro Escolar. Fiquei deliciado com a arquitectura do edifício, com o tamanho da biblioteca e com a receptividade dos alunos à poesia. Vim com a certeza de que o trabalho do professor bibliotecário (no caso, da professora Maricela) é fundamental para a promoção da leitura e, concretamente, da literatura infantil e juvenil. Parabéns e obrigado pelo dia!

SOBRAL DE MONTE AGRAÇO

Quinta-feira participei na Feira do Livro do Município de Sobral de Monte Agraço, organizada pela Biblioteca Municipal, que convidou os alunos das escolas do 1.º Ciclo do Concelho. E foi bom! Os alunos tinham lido “A Casa Grande”, o “Sopa de Letras” e os “Poemas para Brincalhar”. Registo dessa leitura foram os inúmeros desenhos, colagens e demais materiais com que me brindaram.

CAMINHA

Sexta-feira estive em Caminha a celebrar o Dia Internacional do Livro (e pela segunda vez consecutiva nesse dia). Este ano visitei 5 escolas do 1.º Ciclo onde se reuniram alunos de outros lugares, numa organização exemplar e cuidada. Os encontros, apesar de breves, foram proveitosos porque todos os alunos tinham tido lido todos os meus livros e trabalhado alguns deles. Foi um dia memorável pela festa, pela curiosidade dos alunos, pela alegria em ter um livro dedicado e autografado.

Nesse mesmo dia, estive na apresentação do livro comemorativo dos 36 anos do 25 de Abril para o qual contribuí com um texto intitulado “O rapaz sem orelhas de burro”. O evento foi na Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Porto (da qual sou sócio) e foi promovido pelo sector Intelectual do PCP Porto.

FEIRA DO LIVRO, COIMBRA

No Sábado de manhã estive no 1.º Encontro de Literatura Infantil da Sociedade Portuguesa de Autores, na Biblioteca Municipal Almeida Garrett, no Porto. Almocei com o António Mota.
De tarde, estive na Feira do Livro de Coimbra, como autor, a autografar os meus livros e (e a rever amigos). Conheci a ilustradora Carla Nazareth. Conversámos um bom bocado sobre literatura e ilustração.

domingo, 18 de abril de 2010

SEMANA DE ANDANÇAS E FORMAÇÃO

Na semana que passou tive a oportunidade de estar com os mais pequeninos de vários Jardins de Infância e do 1.º e 2.º anos do 1.º Ciclo de diversas localidades:

SANTA COMBA DÃO

Os alunos do 1.º e 2.º ano dos Centros Educativos do Norte e do Sul, em Santa Comba Dão, receberam-me no passado dia 13, terça-feira, de modo efusivo pela alegria que demonstraram e pelo trabalho prévio de leitura e recriação de alguns dos meus livros. Os meus poemas e histórias foram copiados, recriados, ilustrados e devidamente expostos para que eu os pudesse apreciar. O que fiz com muito gosto!

MACIEIRA DE SARNES, CESAR E FAJÕES

Na quinta-feira, dia 15, foi a vez da EB1 / JI de Macieira de Sarnes, do JI de Vilarinho, em Cesar e de dois JIs de Fajões se encontrarem comigo na Escola Básica e Secundária de Fajões. É (foi) muito interessante verificar como os mais pequeninos comem o “Sopa de Letras”, como recitam e apreciam o “Alfabeto de Adivinhas”, como gostam dos “Poemas da Bicharada” e se deliciam com os “Poemas para Brincalhar”.

Testemunho disso foi o livro que os meninos construíram a partir do “Alfabeto de Adivinhas”, com a ajuda de pais e educadores:



BARCELINHOS

Ontem (dia 17), Sábado, estive, durante todo o dia, a tentar descobrir com um grupo de professores do Agrupamento de Escolas do Cávado Sul, na EB 2/3 Rosa Ramalho, em Barcelinhos, “os mistérios da escrita de poesia para crianças”. Pela parte que me toca, adorei o dia e a colaboração e amizade que me foi demonstrada. Espero que, desvendados os mistérios, a poesia nasça e floresça! Obrigado!

sexta-feira, 2 de abril de 2010

DIA INTERNACIONAL DO LIVRO INFANTIL

Mensagem para hoje - Dia Internacional do Livro Infantil

Um livro espera-te. Procura-o

Era uma vez
um barquinho pequenino,
que não sabia,
não podia
navegar.

Passaram uma, duas, três,
quatro, cinco, seis semanas,
e aquele barquinho,
aquele barquinho
navegou.

Antes de se aprender a ler aprende-se a brincar. E a cantar. Eu e os meninos da minha terra entoávamos esta cantiga quando ainda não sabíamos ler. Juntávamo-nos na rua, fazendo uma roda e, ao despique com as vozes dos grilos no Verão, cantávamos uma e outra vez a impotência do barquinho que não sabia navegar.
Às vezes construíamos barquinhos de papel, íamos pô-los nos charcos e os barquinhos desfaziam-se sem conseguirem alcançar nenhuma costa.
Eu também era um barco pequeno fundeado nas ruas do meu bairro. Passava as tardes numa açoteia vendo o sol esconder-se à hora do poente, e pressentia na lonjura – não sabia ainda se nos longes do espaço, se nos longes do coração – um mundo maravilhoso que se estendia para lá do que a minha vista alcançava.
Por detrás de umas caixas, num armário da minha casa, também havia um livro pequenino que não podia navegar porque ninguém o lia. Quantas vezes passei por ele, sem me dar conta da sua existência! O barco de papel, encalhado na lama; o livro solitário, oculto na estante, atrás das caixas de cartão.
Um dia, a minha mão, à procura de alguma coisa, tocou na lombada do livro. Se eu fosse livro, contaria a coisa assim: «Certo dia, a mão de um menino roçou na minha capa e eu senti que as minhas velas se desdobravam e eu começava a navegar».
Que surpresa quando, por fim, os meus olhos tiveram na frente aquele objecto! Era um pequeno livro de capa vermelha e marca-de-água dourada. Abri-o expectante como quem encontra um cofre e ansioso por conhecer o seu conteúdo. E não era para menos. Mal comecei a ler, compreendi que a aventura estava servida: a valentia do protagonista, as personagens bondosas, as malvadas, as ilustrações com frases em pé-de-página que observava uma e outra vez, o perigo, as surpresas…, tudo isso me transportou a um mundo apaixonante e desconhecido.
Desse modo descobri que para lá da minha casa havia um rio, e que atrás do rio havia um mar e que no mar, à espera de partir, havia um barco. O primeiro em que embarquei chamava-se Hispaniola, mas teria sido igual se se chamasse Nautilus, Rocinante, a embarcação de Sindbad ou a jangada de Huckleberry. Todos eles, por mais tempo que passe, estarão sempre à espera de que os olhos de um menino desamarrem as suas velas e os façam zarpar.
É por isso que… não esperes mais, estende a tua mão, pega num livro, abre-o, lê: descobrirás, como na cantiga da minha infância, que não há barco, por pequeno que seja, que em pouco tempo não aprenda a navegar.

ELIACER CANSINO
(Tradução: José António Gomes)

Eliacer Cansino Macías (Sevilha, 1954) é professor de Filosofia numa escola de Sevilha, desde 1980, e autor de romances para jovens e adultos. Em 1997, recebeu o Prémio Lazarillo por O Mistério Velázquez, recriação da vida do anão Nicolasillo Pertusato e da sua relação com Velázquez. Em 1992, foi-lhe outorgado o Prémio Internacional Infanta Elena pelo livro Eu, Robinsón Sánchez, tendo naufragado, obra que foi também finalista do Prémio Nacional de Literatura Infantil, de Espanha. Em 2009, recebeu o Prémio Anaya de Literatura Infantil e Juvenil por Um Quarto em Babel. O lápis que encontrou o seu nome (2005). Tem muitos outros títulos editados.

A Mensagem do Dia Internacional do Livro Infantil é uma iniciativa do IBBY (International Board on Books for Young People), difundida em Portugal pela APPLIJ (Associação Portuguesa para a Promoção do Livro Infantil e Juvenil),
Secção Portuguesa do IBBY.

NO ESTABELECIMENTO PRISIONAL DE SANTA CRUZ DO BISPO

Na passada Terça-feira, dia 30, visitei a ala masculina do Estabelecimento Prisional de Santa Cruz do Bispo. Foi uma experiência inesquecível pelo que teve de humano, de emoção e de aprendizagem. Falei sobre cada um dos meus livros, da utilidade de escrever e ler literatura infanto-juvenil, do lugar das ilustrações, da importância da leitura para os mais pequenos e respondi a muitas perguntas, umas sobre LIJ, outras sobre problemas da sociedade actual. Também recebi prendas singelas carregadas de significado.
Pude captar cansaços e esperanças, lágrimas e sorrisos ocultos, vontade de viver e renascer. Adorei a experiência. Obrigado!

O SEMÁFORO CHORÃO NA PAIS & FILHOS

O SEMÁFORO CHORÃO NA PAIS & FILHOS DE AGOSTO Leonor Riscado apresenta, na revista Pais & Flhos, do mês de agosto, o meu livro &qu...