O Passaporte (Poemas sobre Poesia - 3)

Um dia foi a minha vez de ir a Paris. Foi necessário um passaporte. Pediram a minha profissão. Fiquei atrapalhado! Pensei um pouco para responder verdade e disse a verdade: Poeta!
Não aceitaram.
Também pediram o meu estado. Fiquei atrapalhado. Pensei um pouco para responder verdade e disse a verdade: Menino!
Também não aceitaram.
E para ter o passaporte tive de dizer o que era necessário para ter o passaporte, isto é – uma profissão que houvesse e um estado que houvesse!

Almada Negreiros (Obras Completas, Vol. I – Poesia. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda).

Comentários

Mensagens populares